Conteúdos

Arrepiando na criação de uma nova marca

Assis Teles

Quando falarmos em criar uma marca, podemos nos abster do real sentido que isso seja. Te provoca pensamentos como desenhar? Desenvolver um logo? Ou apenas identificar visualmente um produto ou cliente?


Saiba que antes mesmo de você desenhar uma marca, ela já existe. Você só precisa encontrar uma forma de materializá-la. Basicamente uma marca não é só feita de desenho, um “logo”. Uma marca é como uma peça de roupa, ela precisa de muitas coisas para ser materializada e que a torne real e eficaz. Além de ser primordialmente bonita ela também precisa de pessoas, ambientes, e acessórios para que cumpra seu papel.


Criar uma marca é um processo abstrativo. É extrair a parte mais interessante de um problema e torná-la solução.


Saiba que seu instinto vai te fazer pensar primeiro em solução, e que muitos se deparam com o bloqueio na hora de pensar em uma verdadeira solução, mas o importante não é dar de cara uma solução para algo que ainda não foi identificado. É como você ser um estilista e tentar desenhar uma roupa para um corpo indefinido. Você vai me dizer:


– Isso não é impossível! Vai caber em alguém.


Não estou dizendo que não seja possível, mas estou dizendo que é mais fácil você fazer o processo inverso. Analisar o corpo, desenhar o corpo e tentar moldá-lo. Repare que o corpo é o “problema”, o desenho do corpo é o “rough”, e a roupa projetada é a “marca”.


Para trabalharmos um branding, precisamos trabalhar todos os aspectos de uma marca, eu digo “todos”, você com certeza vai pensar com o que usar a roupa projetada, o que combina com o quê, quais acessórios são mais bonitos, que tipo de cabelo e maquiagem fazer. Importante ainda é tentar combinar tudo isso com a real intenção, o lugar (destino) que será usada essa roupa, com quais companhias estará utilizando essa roupa, para que não fuja do ambiente ou propósito correto. Aí você diz:


– Essa é a primeira informação que vem em minha cabeça… preciso de uma roupa para utilizar naquela reunião, ou naquele evento, naquele lugar.


Sua cabeça automaticamente vai fazer o processo incorreto, porque você já identificou uma necessidade. É normal identificarmos essa necessidade para depois tentarmos suprir ela. E isso na maioria das vezes vai te fazer imaginar o objeto somado de ação gerando um comportamento. Para aquela ocasião, aquele dia, combina isso e isso. Nem sempre será o comportamento correto, você tem que tirar provas disso. Mas vamos lá, o que devo fazer para que tudo isso aconteça?


Hora de criar uma nova marca


No mundo do branding, existem alguns aspectos importantes que auxiliam na criação de uma marca. Eu pessoalmente costumo utilizar esses aspectos como base e desmembrá-los para cada tipo de marca. Algumas são mais fáceis de ser identificadas e outras mais difíceis. Antes de falar desses aspectos saiba que algumas vezes no processo de identificar o que se precisa, encontramos mentalmente uma amostra do resultado esperado, o próximo passo é basicamente a execução com técnicas pessoais do designer. Mas na maioria das vezes o bloqueio pede uma pesquisa mais elaborada. Vou te ajudar com algumas dicas simples e importantes.


Procure primeiramente conhecer o cliente de forma geral “é o quê e faz o quê”. Tendo isso em mente, será fácil identificar o estilo de marca a ser trabalhada. Surgirão várias ideias desde o começo do caminho até o processo final. O importante é que você guarde todas em um lugar seguro. Não se sabe quando e onde precisará de uma delas.


Os estilos de marca


Você tem grandes variedades de estilos mediante os problemas que encontramos hoje em dia em comunicações visuais. Podemos trabalhar um “BrandSense”, onde construímos uma marca a partir de sensações e sentidos. Podemos trabalhar um “Wordmark” para marcas tipo Google, onde fazemos um tratamento tipográfico no nome da empresa. E alguns clientes podem ter estilos identificados a partir do seu ramo de trabalho. No processo inicial identificamos a marca como um “BrandTrendy” que seria nada mais do que uma marca fashion. E o mais fácil, seria você criar um “BrandCore” que tem seu DNA próprio e muito bem construído.


Você tem que saber que esse estilo de marca escolhido vai interferir muito no visual e nas soluções do seu cliente. Como uma Startup que pode ter uma marca com um estilo tipográfico “Groovy”. Esse estilo é recomendado propriamente para ambiente Web e já traz uma comunicação visual definida. Basta o designer inserir a marca no meio digital com uma ótima solução de “E-Branding”, fazendo com que a marca seja conhecida junto do produto gerando compartilhamentos na Web.


Em alguns casos é obvio de cara que algum estilo não se encaixa. Isso você pode perceber ao analisar o cliente daquela forma geral.


Os aspectos importantes


Partindo agora para os aspectos importantes. Estes são passos que te ajudarão na hora de montar uma Identidade Visual.

Transcreva nem que seja em tópicos:


• O diagnóstico da marca – Analise e pesquise. Isso inclui o mercado que a marca estará inserida.


• O propósito da marca – A razão do por que ela vai existir no mundo.


• Alinhe a estratégia da empresa com o propósito da marca – Devem seguir a mesma linha de raciocínio.


• A consistência da linguagem – Identifique como a marca será apresentada para todos seus Stakeholders, ou seja, público em geral (fornecedor, consumidor, etc).


• Crie sua plataforma – Naming (se for o caso), produto. Já pense no rough e no esqueleto de uma Identidade Visual ou Brandbook. Procure ao menos fazer uma projeção em torno do estilo da marca.


• Ações de comunicação e/ou marketing – O que trará mais valor e negócios. Pense já na conexão da marca com os Stakeholders dela.


• E por último o design – Aqui você pode caprichar no branding. Veja as tendências dos estilos para ambientes ON e OFF e tendência das cores também.


Seguindo esses passos, não será muito difícil criar um branding para a sua marca de forma mais profissional. 


Claro que o último passo vai definir muito o destino do projeto. E existem marcas que são tão difíceis de ser encontradas que decidimos fazer um Key Visual das ideias já projetadas apenas para ganhar um tempo enquanto voltamos a repetir todos os passos.


O design traz a possibilidade de te fazer criar de formas alternadas, questionando sempre o que já foi feito e voltando em alguns passos para melhorar o que já foi desenhado. Principalmente tratando de design gráfico.


Agora você já sabe que criar uma marca é como costurar uma peça de roupa pelo seu avesso, através de traços e linhas. Você vai querer se certificar de que o pano utilizado e a costura bem feita vai fazer com que sua roupa projetada dure muito mais tempo. Aqui na Gênia temos todo o conhecimento e experiências sensoriais de branding para construir sua marca do zero, trabalhando de maneira estratégica para transformar ideias de negócio em marcas atraentes e de valor, possibilitando a expansão da sua empresa. Estamos sempre dispostos e preparados de uma maneira mais efetiva e emocional, subjetiva e ao mesmo tempo direta, para construir ou transformar a sua marca, o seu negócio e, consequentemente, o seu sonho.


Dúvidas, críticas, sugestões e elogios são sempre bem vindos. Se você deseja receber novidades ou manter contato, interaja conosco pelo formulário abaixo, estamos ansiosos para conversar com você.

Escrito por Assis Teles


Qual o problema
da sua empresa?
Fale com a Gênia.

Entre em contato agora mesmo